arte, Brasil, descoberta

Enquanto vou fechando: Ingênuo, de Pixinguinha

Certa vez, eu testava as possibilidades de um recém-adquirido Macintosh, quando me dei conta de que não havia nenhuma gravação de Ingênuo no Youtube.

O quê?, exclamei, pasmo. Ingênuo é uma obra-prima, muito apropriadamente eleita pelo próprio Pixinguinha, seu compositor, melhor música de sua autoria.

Os recursos do Macintosh me ajudaram a preencher essa lacuna (que seria, mais tarde, como posso verificar, preenchida novamente por muitas outras pessoas). Isso foi feito de uma maneira para lá de mambembe: um punhado de fotografias encontradas na internet, jogadas no programa e sincronizadas com a música.

O efeito de aproximação e afastamento não foi idéia minha, simplesmente não consegui tirá-lo.

Surpresa: o vídeo já foi assistido por mais de 11 mil almas, em países tão diversos quanto o Equador, a Turquia e a Coréia. Está melhor do que este blog.

A gravação é de Evandro e seu regional.

Padrão