Brasil, capitalismo, cidade, comunicação, costumes, crônica, crime, descoberta, deus, direita, doença, economia, escândalo, história, hitler, humor, ironia, modernidade, opinião, Politica, prosa, reflexão, religião, São Paulo, tempo, trabalho, transcendência, tristeza, viagem, vida

O jugo dos verbos

Era uma vez uma reputada entidade de ensino, sediada na Cidade Maravilhosa, que formava profissionais para a bolsa de valores e semelhantes.
Era uma vez, coisa nenhuma: a entidade segue firme e forte, tem filiais em diversos Estados e se chama Ibmec, isto é, Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais.
Pois bem, uma dessas filiais ficava em São Paulo, não por acaso, sede das bolsas que sobraram (Bovespa e BM&F) e principal centro financeiro do país. Mas eis que, lá pelos idos de, não sei, 2007 ou 2008, a turma dessa filial começou a sentir que algo não ia bem. Continuar lendo

Padrão
arte, barbárie, descoberta, desespero, deus, economia, escândalo, estados unidos, ironia, modernidade, obituário, opinião, passado, Politica, reflexão, religião, trabalho, transcendência

Litania para o capital

Fuçando nos arquivos mais recônditos deste HD, acabei encontrando a brincadeira que segue abaixo. Foi escrita quando eu estava na faculdade (e, aliás, este HD nem fabricado era), para provocar meus colegas corretores da Bovespa, que andavam um tanto nervosos, conseqüência de alguma dessas crises por aí.

Lembro-me particularmente de um desses meus amigos, a quem perguntei, por pura gaiatice, já sabendo a verdade, se a corda estava apertando demais o pescoço da empresa em que ele trabalhava. (A tal empresa foi absorvida por outra bem maior, poucos dias depois.)

Pois bem, a resposta do rapaz foi adorável: “Agora, só resta rezar.”

Passei o dia imaginando como rezariam os colegas do rapaz, logo antes da abertura dos negócios, à espera do retinir do sininho. Seria como uma grande celebração, engravatados de joelhos, mãos unidas, ar de introspecção. Aos poucos, vai se erguendo uma voz coletiva, um grande uníssono, para este que, em nosso século, tomou o lugar que já foi de Deus e outros deuses.

Enfim, segue abaixo um esboço do que clamariam os infelizes. Já vou avisando a Duncan Niederauer que cobrarei os direitos autorais se ele quiser adotar a nova oração nas cerimônias da NYSE.

.

Litania para o capital

.

Ó Vós, que permitis, divinamente,
A implosão de todo patrimônio!

.

  • Concedei-nos cobrir as perdas.

.

Ó Vós, que sois pai de todas as Bolsas,
idolatria de derivativos!

.

  • Concedei-nos cobrir as perdas.

.

Ó Vós, que distribuís as sementes
da fortuna e da fome, cegamente!

.

  • Concedei-nos cobrir as perdas.

.

Ó Vós que podeis prever o porvir
daqueles que abdicam de consumir!

.

  • Concedei-nos cobrir as perdas.

.

Vós que negais os frutos do trabalho,
escutai as preces do investidor:

.

  • Concedei-nos cobrir as perdas!
Padrão
barbárie, Brasil, crônica, crime, descoberta, economia, escândalo, imprensa, ironia, jornalismo, Nassif, opinião, passado, Politica, prosa, reflexão, reportagem, São Paulo

De Dantas e Nahas, sobretudo Nahas

peça publicitaria da carta capital
Em primeiro lugar, créditos a quem merece. A revista Carta Capital publicou (pelo menos na internet) um resumo de suas principais matérias em que, pelos últimos cinco ou seis anos, manteve uma campanha acirrada e declarada contra Daniel Dantas, esse aí de que tanto se fala. Luís Nassif, em seu blog, indicou o caminho para o texto da revista, não sem antes deixar seus parabéns. Mais que um resumo, trata-se de um tapa com luva de pelica na concorrência, que subiu atrasada no bonde (talvez por querer) e corre atrás do prejuízo.

Enquanto lia o auto-elogio da revista, me lembrei imediatamente de uma das peças publicitárias mais felizes que já vi no Brasil (essa aí que encima o texto). Foi em 2004 ou 2005, não me lembro. Não exagero em dizer que tremi de emoção com a imagem das capas das quatro revistas semanais brasileiras, lado a lado. Três delas em flagrante “babação de ovo” (com o perdão da expressão) do nosso bardo imortal, Paulo Coelho. Uma única tratava de um assunto verdadeiramente digno de uma publicação séria: a Carta Capital, com Dantas em destaque pela enésima vez. Acima, a inscrição corrosiva: “Nada contra os coelhos, mas alguém tem que vigiar as raposas”.

Quem há de discordar que é fantástico? Os publicitários que criaram a peça, talvez sem querer, estocaram uma peixeira incandescente direto no fígado da maneira como o jornalismo tem sido feito no Brasil, pelo menos desde meados dos anos 90 (antes disso, não posso dizer, eu era muito garoto). Quantas vezes a Veja não estampou em sua capa as últimas novidades da cirurgia plástica ou coisa que o valha? Nos jornais diários, quantas capas com Michael Jackson perseguido por repórteres, manchetes inócuas, porcentagens sem sentido? No rádio, o tempo que se perde entrevistando técnicos e jogadores de futebol, com seu vocabulário espartano! Nada contra, como diz a propaganda, mas que não reclamem se os leitores andam sumidos.

Tenho imaginado como anda o clima na redação da Carta Capital. Figuro repórteres e editores que não conseguem dormir, viram uma caneca de café atrás da outra, passam dias e noites pendurados em telefones, os editores na redação, os repórteres na rua, agora que as ações de sua galinha dos ovos de ouro foram tão valorizadas. Da noite para o dia, todos querem comprar (a começar pela concorrência), pois descobriu-se que Dantas fazia das suas. O material e a experiência que Carta Capital acumulou sobre o assunto devem ser objeto da cobiça dos demais e não duvido que outras empresas assediem os jornalistas da casa. Chegou o dia deles, como chegou o dia de Samuel Wainer quando Getúlio morreu, mal comparando.

Como se vê, Carta Capital deu furo em todas as concorrentes. Talvez tenha furado até demais: fala há tanto tempo e tanto em Daniel Dantas, que o povo até desconfia. Antes de sair do Brasil, confesso que não entendia por que os ataques tão reiterados a uma única pessoa. Afinal, não seria ele, certamente, o único escroque do país, ainda mais que o país em questão é o Brasil. Face ao banqueiro baiano a cada semana na capa da revista, as orelhas alongadas digitalmente, eu não sabia de quem deveria ter mais medo, se do acusado ou do acusador. Pois bem, Carta Capital apostou firme em sua linha e acertou. Victori patatae, já dizia Quincas Borba.

Em segundo lugar, e volto a citar lembranças: certa vez, quando eu terminava o colegial, visitei uma corretora de valores do centro de São Paulo, para descobrir se eu realmente queria ser economista (não descobri foi coisa nenhuma). Um sujeito destacado para receber meu grupo, com toda probabilidade um estagiário infeliz, nos mostrou a certa altura um gráfico com a evolução histórica do índice Bovespa.

Logo notei que havia um salto enorme em finais dos anos 80. Perguntei ao (suposto) estagiário por que o mercado de capitais brasileiro tinha se desenvolvido tão de repente, como podíamos ter enriquecido tão rápido em meio a uma recessão tão forte. Ele me respondeu que não era nada disso. O salto exprimia um episódio em que “o Nahas quebrou a bolsa do Rio” e os negócios foram transferidos para São Paulo, quase todos. Nem preciso dizer que fiquei pasmo. Então uma pessoa, sozinha, era capaz de causar um estrago tão grande no sistema financeiro? (O fechamento definitivo da bolsa do Rio, a mais antiga da América Latina, mal demorou uma década.) Na opinião de nosso cicerone, sim. Se essa pessoa fosse Naji Nahas.

O investidor libanês, com isso, tornou-se uma lenda para mim. Acusado de operar com laranjas e outras fraudes no episódio da quebra da Bolsa, fui saber que, em 2004, ele acabou inocentado. Grandes economistas depuseram a seu favor, como o falecido Mário Henrique Simonsen, e o investidor ainda saiu da pendenga prometendo entrar com um processo contra a CVM e contra Eduardo Rocha de Azevedo. Esse último, ex-presidente da Bovespa e da BM&F, seria, no dizer de Nahas, o mentor de uma conspiração para acabar com ele e, principalmente, para concentrar o mercado financeiro na terra da garoa.

Culpado ou não, nunca mais eu tinha ouvido falar em Naji Nahas, o mago das finanças e dos investimentos. Esse nome só me foi reaparecer agora, quando a Polícia Federal colocou novamente as mãos sobre ele, através da operação Satiagraha (falando nisso, onde entra Gandhi nessa história?). Para a polícia, Dantas e Nahas formaram uma quadrilha para manipular as relações entre grandes conglomerados, ex-estatais, fundos de pensão e o próprio governo. Ou seja, gente de calibre grosso, muito grosso.

E, no entanto, quase não se fala em Naji Nahas. O homem foi esquecido. A bolsa do Rio não existe mais, o processo foi encerrado, os holofotes estão todos em cima de Daniel Dantas. Acusa-se o baiano de subornar juízes e jornalistas, atacar a reputação dos que se revelavam insubornáveis, grampear inimigos, molhar a mão de políticos, por aí vai. A reboque dos sucessivos furos que levaram de Carta Capital durante anos, os demais veículos da imprensa brasileira cercam Daniel Dantas como se ele fosse uma espécie de Alexandre Nardoni das finanças.

Mas, diz o delegado Protógenes, Dantas e Nahas são os cabeças de uma quadrilha. E o libanês está no jogo há muito mais tempo do que o homônimo do ator. Também diz o delegado que Dantas não poupava esforços para influenciar resultados de julgamentos e até evitá-los, esse Dantas que teria formado uma quadrilha com Naji Nahas, o investidor mais velho que, ora-vejam-só, já teve complicações sérias com a Justiça e saiu livre. Mesmo assim, por algum motivo ou sem motivo algum, quase não se ouve falar de Nahas nas matérias sobre a operação Satiagraha.

Sem mais rodeios: a imprensa se beneficiaria, talvez, de sair da poltrona, abdicar de redescobrir o que Carta Capital já publicou, juntar os cacos e sair para investigar. O que mais existe de saboroso nessa história toda? Isso certamente renderia bem.

Padrão
Brasil, descoberta, economia, história, ironia, opinião, reflexão, São Paulo, trânsito, tristeza

Se um estoura, estouram todos (ou O Sapo de La Fontaine)

Sapo gordo prestes a estourar (La Fontaine)
É feio dizer “eu avisei” ou “eu já sabia”; mas acontece que, bem, eu avisei. E eu já sabia. Com as ferramentas rudimentares do raciocínio econômico que tinha aprendido a manusear ao final de uma formação quase involuntária, consegui provar por A+B que, não importa em que direção aponte o gráfico de crescimento do PIB brasileiro, a cidade de São Paulo caminhava com destino certo para o colapso definitivo. Isso, perdoe reiterar, é o que eu dizia há coisa de cinco anos. Mas só hoje, ao tentar discutir soluções para o problema do trânsito, a sociedade e seus governantes percebem o óbvio.

Bem que tento conter o impulso de me vangloriar. Mas lembro dos fins-de-tarde nos botecos da Augusta, contemplando a guerra entre carros, motos e ônibus, tomando cerveja gelada enquanto os afoitos profissionais derretiam na tentativa de voltar a casa; lembro dos amigos a rir, já altos, da exposição detalhada de minha teoria. Lembro que eles consideravam impossível duas tendências opostas darem o mesmo resultado. Enfim, só quero lembrar a eles que estava tudo previsto.

Aqueles meus cálculos contemplavam duas possibilidades, ou seja, um Brasil em franco crescimento econômico, digamos, quase um novo milagre; ou um Brasil estagnado, irremediavelmente estagnado, pior ainda do que foi nos anos 80 e 90. Em ambos os casos, a própria concentração pantagruélica de riqueza na terra que um dia teve garoa se encarregaria de sufocá-la. Vejamos, em primeiro lugar, o que aconteceria se o país não conseguisse retomar o crescimento:

À primeira vista, a idéia não parece má para a vida paulistana. Sem crescimento econômico, vendem-se menos carros, constroem-se menos arranha-céus, menos pessoas se espremem nas plataformas do metrô, menos aviões chegam e partem de Congonhas. Olhando assim, não parece terrível, para a cidade de São Paulo, que o país siga estagnado. Acontece que, como de hábito, a coisa não é tão simples. Mesmo estagnado, o país produz novas pessoas; é gente que precisa encontrar trabalho e, como já se viu durante décadas em nosso país, vai atrás dele onde ele está. Conseqüência: o fluxo de gente em desespero, fugindo da miséria, que chegaria em São Paulo em busca de emprego não deixaria de aumentar. A cidade ficaria ainda mais apinhada, mais favelizada, mais desigual e, bem provavelmente, mais violenta. Em duas palavras, ela sufocaria.

E se o país enriquecesse, (sem redistribuir a economia pelo território)? Nesse caso, o crescimento dos investimentos, o aumento da renda, a queda do desemprego, a pressão por novos empreendimentos – em resumo, tudo que acompanha o crescimento econômico vigoroso – tornaria a cidade intransitável em dois segundos. E irrespirável, naturalmente. O horizonte sumiria de vez, as aeronaves se chocariam, tentando pousar no meio da cidade, o barulho de helicópteros ficaria insuportável; no metrô, um grito de “fogo”, “rato” ou “tarado” causaria uma onda de choque que atiraria os cidadãos mais próximos da linha sobre os trilhos eletrificados (já é assim). O caos, que estava evidente para qualquer um com o mínimo senso de civilização, ficaria patente.

Na última semana, li diversos comentários sobre os recordes de engarrafamento em São Paulo. 180 quilômetros, 190, 200, 220. O metrô teria sido uma solução, mas é tarde, não dá tempo. Tampouco bastaria a proposta de pedágio urbano: por falta de opções, os carros pagariam, mas continuariam circulando quase tanto quanto hoje. Há mais de dez anos, li que o prejuízo com o trânsito, só em São Paulo, passava da casa do bilhão e meio de dólares por ano. Hoje, deve ser o triplo disso. Já era uma cidade em que eu não conseguia trabalhar direito, porque já chegava “no serviço” (como se diz) esgotado. Hoje, tremo de lembrar.

A única solução para São Paulo e, de maneira geral, para o Brasil e suas metrópoles, é repensar nossa lógica econômica. Precisamos tomar consciência de nossa dificuldade em romper com a tradição do Convênio de Taubaté. Eis o ponto-chave nefasto de nossa história, que escancarou, em papel passado, nossa escolha pelo latifúndio. Passamos dos cafeicultores aos industriais, depois aos bancos, mas ainda somos os mesmos. Queremos concentrar a lavoura (em sentido metafórico), queremos crescer com a energia que sugamos dos vizinhos, e ainda acreditamos demais em superlativos: de que vale termos o maior estádio, a segunda maior frota de automóveis e terceira de helicópteros, a maior sala de concertos, as maiores cidades? Do outro lado, o país ainda produz miséria, ignorância e barbárie em profusão. Voltando à realidade de São Paulo, temos uma Berrini que vai se verticalizando, enquanto, ao nível do solo, a vida é, há tempos, insuportável. Má escolha.

Sem desconcentrar a economia, integrar o país e desenvolver as regiões, ou seja, o território como um todo, o país e sua maior cidade estão condenados. É o anátema da cobiça. Mas isso é apenas o evidente. São Paulo, primeiro, cresceu como centro industrial e era um modelo para o resto do país; locomotiva, dizia-se. No meio do caminho, o maquinista parece ter exagerado no carvão; achacado pelo espírito do Convênio de Taubaté, depenou das tábuas os demais vagões, para continuar acelerando. A cidade se pôs a concentrar o setor financeiro, o cultural, o varejista, o esportivo, o editorial, o aéreo…

Faz lembrar o sapo da fábula de La Fontaine, que queria ficar do tamanho de um boi. Foi se enchendo de ar, cresceu, cresceu, até que estourou. No caso de Sampa, o maior problema é que tem um país em volta. Se um sapo estoura, estouram todos. Parece que a barriga do bicho já apresenta algumas rachaduras preocupantes. E as perspectivas de crescimento para o PIB brasileiro em 2008 vão além dos 5% de 2007. Não tem metrô, pedágio ou rodízio que sirva de esparadrapo para um sapo tão inchado.

Padrão