arte, barbárie, Brasil, calor, capitalismo, centro, cidade, comunicação, costumes, crônica, descoberta, desespero, doença, Ensaio, escultura, Filosofia, fotografia, imagens, jornalismo, modernidade, opinião, passeio, Politica, praça, primavera, prosa, reflexão, São Paulo, tempo, trabalho, transcendência, trânsito, vida

O pedestal

Este é alguém que fabricou para si um pedestal. É alguém que, na gramática usual, não pode grande coisa. É o estereótipo do impotente. No dia-a-dia, precisa fabricar ou garimpar tudo que usa, mas seus poderes terminam aí. E um pedestal não é algo que se use, simplesmente. Continuar lendo

Padrão
arte, barbárie, Brasil, calor, capitalismo, centro, cidade, comunicação, crônica, descoberta, direita, domingo, economia, esquerda, férias, Filosofia, fotografia, humor, imagens, ironia, modernidade, opinião, passeio, Politica, prosa, reflexão, religião, Rio de Janeiro, tempo, trabalho, transcendência, tristeza, viagem, vida

Da série “viva a arte de rua”

Às vezes, para expressar uma grande verdade, basta inverter um grande lugar-comum.

Nem sempre é assim, claro.

Mas é interessante notar como as palavras bonitas e inspiradoras oferecem um momento de satisfação, algo que se deixa facilmente confundir (talvez voluntariamente, na verdade) com mensagens edificantes.

Palavras duras, num ambiente duro (essa aí é uma parte da Lapa não particularmente favorecida pela boemia zona-sul), talvez sirvam melhor para edificar, se lembrarmos que todo processo de edificação começa pela terraplenagem.

Não estou falando de demolição, de trazer abaixo seja o que for, mas de enxergar o terreno ainda na condição de terreno, sobre o qual se possa imaginar um projeto.

Como reverter a um estágio de terreno e de projeto, como dar início a uma terraplenagem, sem postular alguma quixotesca demolição, dessas que exigem dinamite e só podem ser realizadas por empreiteiras enormes, ricas e estruturadas, com um alvará na mão, leia-se um documento concedido pelo poder?

Sei lá. Passo a pergunta aos artistas de rua.

Padrão
arte, cidade, cinema, comunicação, costumes, frança, francês, música, Montmartre, paris, passado, passeio, praça, primavera, prosa, saudade, transcendência, tristeza, viagem, vida

Enquanto vou fechando: Charles Aznavour

Quem já se apertou num apartamento minúsculo, oprimido pela falta de luz e pelo frio glacial. Quem já flanou entre fachadas de pedra com placas de moradores ilustres. Quem já viu minguar a conta bancária e recebeu ameaças pelo correio. Quem já passou horas procurando pelo menu mais barato do bairro para almoçar mal…

Não fica indiferente a esta canção.

“E quando, em troca de uma boa refeição quente, um bistrô qualquer comprava uma tela nossa, recitávamos versos encarapitados em volta do aquecimento, esquecendo o inverno”.

Viva Charles Aznavour (ou, se preferir, Chahnourh Varinag Aznavourian), o homem que se aposentou 14 vezes e continua trabalhando. E também, claro, protagonista de uma das obras-primas de François Truffaut, Atire no Pianista:

Então viva Truffaut também, mas fica pra próxima…

Padrão
barbárie, Brasil, capitalismo, centro, cidade, comunicação, costumes, crime, descoberta, desespero, direita, doença, economia, eleições, Ensaio, escândalo, esquerda, greve, guerra, história, hitler, modernidade, opinião, passado, passeio, Politica, praça, primavera, prosa, reflexão, saudade, São Paulo, tempo, trabalho, transcendência, trânsito, tristeza, Uncategorized, vida

Se formos sociedade civil

Eu deveria dar mais um tempo antes de sentar para escrever isso, mas por instigação do Catatau e da Nicole no texto anterior, vamos aos comentários sobre a Marcha da Liberdade do sábado último. Na verdade, desconfio de que o assunto vai deslizar para a ocupação das cidades espanholas por sua juventude desiludida e indignada – é que não tem como comparar uma caminhada de poucas horas com as semanas de manifestações –, mas vou fazer algum esforço para evitar a escorregadela…

A primeira coisa a ser dita é que a importância de uma ocasião como essa passeata está muitos graus abaixo do perfil revolucionário que muitos querem ver nela, inclusive seus detratores, que gostam de debochar justamente do fato de que não haverá revolução alguma, como se esse fosse o âmago da questão. Em outra escala, o mesmo valeria para o caso espanhol, que já andam chamando de “revolução espanhola”, quando na verdade o que parece é que as coisas não precisam ser propriamente revolvidas, mas redescobertas. Volto a isso depois. Por enquanto, o fundamental é entender que “abaixo” não foi dito em tom pejorativo, mas puramente geométrico: o que está sendo questionado é o primeiro degrau da escada. Numa imagem barata, mas expressiva, podemos dizer que o modo de assentar esse primeiro degrau vai determinar a direção em que a escada pronta subirá. Continuar lendo

Padrão
barbárie, Brasil, capitalismo, centro, cidade, comunicação, costumes, crônica, crime, descoberta, desespero, deus, direita, doença, economia, eleições, Ensaio, escândalo, esquerda, Filosofia, greve, guerra, história, hitler, humor, imprensa, ironia, música, modernidade, morte, obrigações, opinião, passado, passeio, pena, Politica, praça, prosa, reflexão, religião, sarkozy, saudade, São Paulo, tempo, transcendência, tristeza, vida

Tomar a potência, desinflar o poder

Começo a escrever na noite de sexta-feira anterior à Marcha da Liberdade marcada para a avenida Paulista, 28 de maio – dia que no futuro talvez seja nome de rua. Provavelmente só vou terminar de manhã, logo antes de partir para a referida marcha. Aliás, bem disse alguém por aí: não se deveria dizer “marcha”, mas alguma outra coisa, porque a liberdade não marcha, ela dança. (Voltaremos a isso.) Sábias palavras. Continuar lendo

Padrão
barbárie, Brasil, capitalismo, cidade, conto, costumes, crônica, descoberta, desespero, direita, doença, estados unidos, guerra, humor, inglês, ironia, línguas, livros, obrigações, opinião, passeio, Politica, prosa, reflexão, São Paulo, viagem, vida

O leitor, terrorista internacional

Aconteceu duas vezes. Primeiro em Copenhagen, depois em Guarulhos. O sinal: bagagem ou casaco na esteira do raio-x, olhos apertados e sobrancelha alçada na pessoa de uniforme, a exigência de separar o objeto suspeito para um exame mais próximo, com direito a luvas de borracha e tom de voz imperioso. Até segunda ordem, o viajante é um terrorista em potência ou, na melhor das hipóteses, um mísero traficante internacional.

Algo ali chamou a atenção dos “agentes de segurança” aeroportuários. São os responsáveis por evitar que a Al Qaeda risque os céus, mas também por manter constantemente vivo na consciência de cada passageiro a lembrança de que a Al Qaeda existe e a sensação de que está por todo lado. Aos olhos do poder, principalmente os funcionários mais baixos do poder, a Al Qaeda está por todo lado. Por todo lado. E, noves fora os americanos velhos de guerra, ninguém está mais seguro disso do que os dinamarqueses.

Uma palavrinha sobre os dinamarqueses. Continuar lendo

Padrão
barbárie, Brasil, capitalismo, centro, cidade, comunicação, crônica, direita, domingo, Ensaio, escândalo, ironia, modernidade, opinião, parque, passeio, Politica, praça, prosa, reflexão, São Paulo, trânsito

O povo que pedala encaixotado

A palavra “bicicleta” já vinha pipocando há algum tempo nos jornais, blogues e o escambau (“o debate”, diria um otimista, mas esse não é o meu caso). Como proposta urbana, utopia, desiderata ou discurso para as massas, dependendo de quem a pronunciasse. Agora, o ensandecido atropelador do Golf preto escancarou até onde a questão da bicicleta – a palavra e o objeto – pode chegar.

Como ideia, agora não é mais segredo para ninguém que a bicicleta encarna a imagem, isto é, o ideal de uma guinada na história urbana e econômica do Brasil. Como coisa física, ela se afigura um instrumento político, tanto pela afirmação de quem pedala impávido, contra toda a opressão – e repressão, naturalmente – de um ambiente explicitamente disposto a favorecer apenas e tão-somente o carro, quanto pelos conflitos que podem vir a manifestar esse caráter político, não raro com vítimas. (Só lembrando que o conflito é a manifestação por excelência do político.) Continuar lendo

Padrão