barbárie, Brasil, capitalismo, cidade, conto, costumes, crônica, descoberta, desespero, direita, doença, estados unidos, guerra, humor, inglês, ironia, línguas, livros, obrigações, opinião, passeio, Politica, prosa, reflexão, São Paulo, viagem, vida

O leitor, terrorista internacional

Aconteceu duas vezes. Primeiro em Copenhagen, depois em Guarulhos. O sinal: bagagem ou casaco na esteira do raio-x, olhos apertados e sobrancelha alçada na pessoa de uniforme, a exigência de separar o objeto suspeito para um exame mais próximo, com direito a luvas de borracha e tom de voz imperioso. Até segunda ordem, o viajante é um terrorista em potência ou, na melhor das hipóteses, um mísero traficante internacional.

Algo ali chamou a atenção dos “agentes de segurança” aeroportuários. São os responsáveis por evitar que a Al Qaeda risque os céus, mas também por manter constantemente vivo na consciência de cada passageiro a lembrança de que a Al Qaeda existe e a sensação de que está por todo lado. Aos olhos do poder, principalmente os funcionários mais baixos do poder, a Al Qaeda está por todo lado. Por todo lado. E, noves fora os americanos velhos de guerra, ninguém está mais seguro disso do que os dinamarqueses.

Uma palavrinha sobre os dinamarqueses.

O que terá captado o olhar treinado, experiente, infalível, implacável, dos oficiais? Dessa vez, dificilmente pode ser o soro fisiológico, que, em outra viagem, certa viajante teve a audácia de deixar para fora do plástico autorizado, dentro de sua bagagem de mão. (Nessa ocasião, a pobre moça tentou explicar que em seu país, a França, a segurança não dá bola para isso. Ouviu como resposta que os dinamarqueses “são mais sérios”, em tom sério, realmente. Rir na hora sendo imprudente, deixou-se para depois.) Não há de ser soro fisiológico, nem solução para lentes de contato, nem pasta de dente, nem leite de rosas. O viajante em questão é escolado e sempre despacha seus líquidos no aeroporto. Sem trocadilho.

Não pode ser o soro. Não pode ser o soro. Meu Deus do céu, não pode ser o soro!

Aliás, cabe mencionar que, no aeroporto de Kastrup, tanto faz se o raio-x apita ou não à passagem de um passageiro. Exige-se de cada um que suba num estradinho emborrachado, abra os braços e aceite ser apalpado com brusquidão pouco sincera por um desses agentes tão zelosos. O sujeito, talvez por estar tratando com terroristas em potencial, nem se digna em pedir que o examinado dê meia-volta para mais apalpadelas. Limita-se a indicar com o dedo o que deseja, como quem aponta a má conduta de um totó. Situação embaraçosa, direis? É claro, mas, como já expliquei, somos todos terroristas em potência ou (nas horas vagas, provavelmente) perigosos traficantes. O poder não pode ser tolerante com esse tipo de gente.

Aprovado na prova do contato direto e imediato do revistador, o viajante não entende por que fica retido, costas contra a parede do fundo, sob esgares desconfiados dos pontas-de-lança do poder, que se ocupam em examinar sua bagagem. O que eles querem? Soro não pode ser! Os líquidos foram despachados! Na mesma parede, um casal de turbante é fuzilado pelos mesmos esgares, apenas muito mais violentos. E nem tiveram direito a venda nos olhos ou último cigarro.

Corta para Guarulhos.

Entre a Escandinávia e os trópicos, uma semelhança – a esteira do raio-x – e muitas diferenças. A começar pelo idioma fluido e sonoro, contrastando com algo que pode ser descrito como uma forma organizada de tossir (é o que dizem os suecos para mangar dos dinamarqueses). Em seguida, detalhes bestas, como a camisa que não é fechada até o último botão e o fato de o agente encarregado de escarafunchar as roupas sujas dos passageiros não necessariamente contar com luvas de borracha (se isso não for motivo para adicional de insalubridade, é hora de entrar em greve). Depois, a preocupação é outra: que mané Al Qaeda, o negócio aqui é com traficante e lavagem de dinheiro.

Também é digno de nota o tom de voz, que em certos momentos chega a ser digno de conversa de bar, algo impensável para além do Atlântico. Isso não quer dizer, claro, que haja o menor espaço para dúvidas quanto a quem manda naquele ambiente. Faça isso, faça aquilo e ponto final. Não tem papo. Mas ainda é melhor do que ficar retido contra a parede, como em Kastrup.

Fuça daqui, fuça dali, nada parece ser suspeito, contrariando o alerta da máquina de raio-x. Pacientemente, embora morto de sono e fome, o viajante vai empilhando de um lado suas peças amassadas e encardidas de roupa; do outro, os livros. Um agente sênior vem se juntar ao júnior, carrancudo, estranhando a demora. O mais jovem se põe a gaguejar e suar um pouco, não quer fazer feio diante do chefe. Sem cuecas sujas, sem livros sujos, lá vai de novo a mala do viajante para a esteira. Desta vez, o raio-x não reclama.

Agente sênior para agente júnior:

– Então são os livros.

– É, são os livros.

Liberado, o viajante vai enfiando de qualquer jeito sua massa de coisas na mala. Aproveita o momento de pausa do agente júnior para lhe perguntar por que os livros apitam no raio-x.

– Não é que apitem -, explica o agente, – mas o volume do livro parece dinheiro.

E arremata:

– Como você sabe, viajante, existe um limite para os valores que podem entrar legalmente no Brasil.

O viajante parte encucado. Disse bem, o agente: os livros, no Brasil, não têm valor nenhum.

De volta à Dinamarca.

Enfim, é encontrado o primeiro objeto suspeito: Foucault. E o segundo: Deleuze. E o terceiro: Nietzsche. E o quarto: um guia turístico da capital dinamarquesa.

Foucault tem a honra de ser folheado. Deleuze é revirado. Nietzsche, mais corporal, merece que o farejem, as páginas sendo passadas agilmente diante do nariz perquisidor do agente de segurança. Nietzsche? Muito suspeito, esse elemento. O guia de Copenhagen vale apenas mais um alçar de sobrancelhas, embora seja o mais proveitoso para um homem-bomba, com seus mapas detalhados, fotografias em profusão e instruções para o transporte público.

O veredito, no típico inglês esquemático dos escandinavos:

Well, só livros.

O tom é da mais evidente decepção. Mesmo assim, antes de desistir, ainda há tempo para mais um minutinho de carícias em Foucault. Só para se certificar.

O viajante, com toda a prudência do mundo, abandona sua posição contra a parede. Ainda tenta um pouco de empatia humana, acha que aquele é o momento de ser espirituoso, esboça um gesto tímido de aproximação com alguém que, afinal, também é filho de Deus ou algo assim.

– É como dizem! Livros podem ser muito perigosos!

Eis que o examinador arregala os olhos e enrubesce de imediato. O viajante compreende que o melhor é guardar suas coisas e sair dali o mais rápido possível. Os livros podem ser perigosos, mas a autoridade é mais.

Anúncios
Padrão

Um comentário sobre “O leitor, terrorista internacional

  1. Uma verdadeira aula sobre a cordialidade brasileira e a dureza escandinava – ainda que importe que além do tom de voz a autoridade seja tão ou até mais absoluta e intolerante. Não há equivalência entre tom e substiancia, no sentido de que o tom não altera a substância do ato, mas há mesmo assim uma questão de forma aqui que não é apenas contingente. Eu diria: não basta ser exigente ou eficiente, é preciso sê-lo de uma maneira cordial. Talvez sejam sentimentalismos de um brasileiro que vive há muito tempo longe do Brasil…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s