arte, descoberta, desespero, prosa, reflexão, tempo, transcendência, vida

Considerações sobre o amor à vida

Trilhos+muitos+trilhos
Quando olho pela janela, não ando pela calçada. Caminhando pela cidade, não leio um bom livro. Lendo, não conheço novos países e, viajando, não bato papo com amigos interessantes, à mesa de metal daquele velho pé-sujo. A vida é assim: muito ampla, muito curta. Para nossa desgraça e maravilha, houve um dia em que esquecemos de ser bichos, de agir por impulso e instinto; passamos a pensar que viver assim é coisa de máquinas programadas para procriar e comer até sumir. De repente, por um capricho da evolução e dos deuses, fomos condenados a reconhecer a vida, encará-la de frente, amá-la feito loucos e praguejar contra ela.

Eis o nosso destino; fantástico, ainda que temeroso. Se a vida pudesse ser apenas um amontoado de fatos e eventos, não valeria a pena. Pois bem. Nossa vida, queiramos ou não, é muito mais do que isso. É uma obrigação que algo dentro de nós nos impõe. Ou seja, para o mal e para o bem, é um fardo: uma pena, e é essa a pena que vale. Somos carregados a ter desejos, pulsões vulcânicas. Não podemos nos furtar a escolher rotas, abrir mão de alegrias e mergulhar de bom grado em tragédias. E por quê? Apenas porque somos gente.

Pensei nisso quando me lembrei de uma certa noite, anos atrás, em que eu bebericava alguma coisa e pensava na morte da bezerra. Um desses amigos metidos a perspicazes ocupou o espaço livre à minha frente. Sem cerimônias e à revelia, declarou que eu tinha o ar triste. E arrematou, como em confidência: “o que não é raro”.

Eu não sabia que meu semblante se mostrava entristecido com tanta facilidade. Ao mesmo tempo, a informação disparada pelo meu amigo não chegou a surpreender. Pode passar por tolice, mas me causa uma certa frustração que só seja possível fazer uma coisa de cada vez, estar em um único lugar, limitado ao mesmo corpo, com os mesmos olhos e ouvidos, as mesmas histórias, idéias e experiências, enquanto, ao redor, uma miríade de vidas e universos batem cabeça, fundem-se, dão à luz infinitas novas realidades, todas elas merecedoras de algum grau de interesse e fascínio. Quando penso em tudo que estou perdendo, dou lá uns suspiros sem conseqüência; mas que permitem ao amigo sagaz concluir que sou um triste.

Amar a vida, às vezes, produz sensações dessa ordem: melancolias sem rótulo, desejos irrealizáveis, vontades sufocantes, toda sorte de sofrimentos desnecessários. Dirão os sensatos, essa gente frígida e enrugada, que o amor à vida deve se dar segundo uma tal “justa medida”. Que idéia! Que coisa pode haver de mais estagnado do que a justa medida? De mais anódino e conformista? A justa medida é o refúgio dos medrosos, aqueles que, da vida, só esperam que não seja dolorosa demais, e dariam tudo para descobrir a trilha da existência fácil, tranqüila, garantida, sem sobressaltos; mas, como isso não existe, erguem os braços para o céu, implorando por proteção e conforto.

Ora, para amar a vida, é necessário devorá-la com todas as suas páginas; as de euforia, medo, ódio, prazer. Nossa carne parece feita para receber as chagas da dor e da derrota, mas que pele lisa e imaculada poderia sorver devidamente o alívio e suas delícias? De ambos os lados de nossos caminhos, o que há são precipícios, verdadeiros abismos que nos convidam a escorregar. Daí o fascínio da corda-bamba. Daí a necessidade da arte. Para além, o que há é pura contingência. No limite, uma passagem meramente biológica pela Terra.

Nada de tristeza, amigo perspicaz. O ar distante é apenas um momento de descanso. Uma retomada de fôlego, antes de pular mais uma vez na maravilha de caminhar sobre a Terra. Há muito o que fazer. Que fazer? Continuo sendo um só.

Anúncios
Padrão

14 comentários sobre “Considerações sobre o amor à vida

  1. Thiago Ponce de Moraes disse:

    Diego, obrigado por ter passado no blog. Comecei, na última semana, uma pequena loucura: fazer postagens diárias.Certamente não escrevo tanto (nem perto disso) para ter material o bastante para cada dia. No entanto, leio o suficiente para que consiga montar uma programação diária interessante.Comecei essa linha de postagens com um texto crítico do Adorno e, nessa semana, sigo com poemas de Paul Celan.Espero que possa voltar. O poema que leu foi colocado ontem. Acabei de colocar o de hoje.Obrigado e parabéns pelos seus dois blogs de diversos escritos.Um abraço.

    Curtir

  2. Sandra Leite disse:

    olha, adorei esse post. Com toda a intensidade que você imprimiu às suas palavras.Obrigadíssima pela visitaeu, daqui da sua Sampa, te visitarei sempreSandra

    Curtir

  3. Faço parte daquele grupo que enquanto olho na janela, vejo as pessoas que passeiam na calçada, imagino suas vidas e viajo em suas histórias, intercalando tudo isso com o livro que repousa no colo. Tudo ao mesmo tempo agora. Ao contrário de ti, preciso de um pouco de foco.

    Curtir

  4. Olá mon ami,

    De todos os seus textos que eu li, talvez esse seja o que mais me tocou. Talvez por desenvolver tão bem a idéia que Camus sintetizou genialmente em uma única frase, do livro “O avesso e o direito”: “não há amor de viver sem desespero de viver”.
    Muito obrigado por esse texto.
    Grande abraço

    Curtir

  5. Olá!
    Pow faz tempo não venho aqui !
    Vc escreve muito bem …e diz coisas que muitas pessoas queriam dizer sem a hipocrisia idiota e a mesmice “positivista”…Curto muito seus posts!
    Bj
    Ben

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s